O que é DOI, ISSN e ISBN?

Está preparando a publicação de um novo fascículo da sua revista científica ou de anais de eventos? Então saiba o que é DOI, ISSN e ISBN e qual a importância de registrar esses códigos.

Os identificadores de publicações científicas existem para colaborar com as pesquisas. Isso porque os identificadores ajudam a divulgar e conseguir mais citações para os trabalhos científicos, além de colaborarem no combate de plágio.

Mas não basta sair registrando todos os identificadores de publicações que existem. É necessário entender quais códigos são adequados para cada objetivo e aproveitar todas as vantagens que eles oferecem, dessa forma, você pode garantir que sua publicação não se perca e ganhe mais visibilidade entre seus pares.

Entre esses identificadores, existem três que se destacam: DOI (Digital Object Identifier), ISSN (International Standard Serial Number) e ISBN (International Standard Book Number).

Esses três códigos de publicações têm uma excelente reputação e, muitas vezes, são exigidos por agências indexadoras no caso de publicações científicas e técnicas. Isso acontece porque além de identificar as pesquisas, os identificadores garantem em muitos casos a qualidade da publicação, afinal, organização de informações são importante para o registro desses códigos.

Para entendermos melhor o tema, preparamos algumas dicas e explicações sobre esses identificadores de publicações acadêmicas!

DOI (Digital Object Identifier)

O Digital Object Identifier, mais conhecido como DOI, é um código alfanumérico usado para conteúdos que estejam disponíveis para consulta online. Uma das maiores vantagens de se registrar DOI para artigos e trabalhos científicos é que qualquer pessoa com acesso à internet pode encontrar a publicação, basta usar a URL associada ao código associado.

Além dessa vantagem, o DOI também é um identificador permanente, ou seja, acompanha o artigo em que houve o depósito de DOI durante toda a sua vida, prevenindo que a mudança de endereço ou o fim de um site também façam a publicação sumir.

Breve histórico do DOI

O Digital Object Identifier começou como um projeto de algumas importantes entidades editoriais no mundo chamadas. No caso, as envolvidas nesse projeto foram a IPA (International Publishers Association), a STM (International Association of Scientific, Technical, and Medical Publishers) e a AAP (Association Of American Publishers) que desenvolveram um novo sistema para identificar objetos no meio digital, batizado como DOI.

No mundo todo, existem dez agências registradoras que são incumbidas de fazer efetivamente o registro dos DOIs nas publicações. Dentre essas, a mais conhecida é a Crossref que tem o foco em depositar DOI para publicações ligadas a academia, ciência, tecnologia e inovação.

Assim, a Crossref ajuda editores, empresas e instituições científicas que visam otimizar a catalogação e interação de artigos científicos junto com suas Sponsoring Organizations e Sponsoring Members presentes no mundo todo.

Essas entidades podem atribuir prefixos e código DOI a grande parte das publicações científicas, sendo que hoje o Galoá é o único Sponsoring Member da Crossref no Brasil.

ISBN (International Standard Book Number)

O International Standard Book Number (ISBN) é um sistema padronizado internacional que identifica livros segundo autor, título, país, editora e até edição. É um identificador individual e permite a vinculação de arquivos e a recuperação e transmissão de dados através de sistemas automatizados.

O uso do ISBN também simplifica a busca e atualização bibliográfica dos conteúdos.

Breve histórico do ISBN

O ISBN foi o primeiro dos identificadores a ser criado em 1967. Nessa época, editores ingleses elaboraram o sistema ISBN, que passou a ser muito utilizado, inclusive por comerciantes e bibliotecas.

Em 1972, o código mais usado para livros foi oficializado e normalizado internacionalmente pela ISO 2108-1972.

A atribuição do código é controlada pela Agência Internacional do ISBN que tem representantes nacionais em cada país, sendo que no Brasil o representante é a Fundação Biblioteca Nacional.

ISSN (International Standard Serial Number)

O International Standard Serial Number, mais conhecido como ISSN, é um identificador para publicações seriadas, conforme indica seu nome, como revistas e periódicos.

Ele é associado ao título durante toda a sua existência, independente do idioma e do suporte (físico ou digital). Isso permite que o seu conteúdo seja acessado em qualquer país do mundo associado ao Centro Internacional do ISSN, em Paris.

No Brasil, o identificador é atribuído pelo Centro Brasileiro do ISSN, (CBISSN) sob a responsabilidade do Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBICT), que é membro da rede e representante brasileiro junto ao Centro Internacional em Paris.

Breve histórico do ISSN

Alguns anos depois do ISBN, sistema para identificação de livros, foi criado o ISSN a fim de criar uma identificação individual, precisa e breve para publicações em série, como revistas, periódicos, anais de eventos contínuos e até mesmo blogs.

Sua criação aconteceu na década de 1970, mas só foi oficializado e normalizada mundialmente pela ISO (International Organization for Standardization) em 1998, cuja revisão aconteceu somente em 2007.

Como comentamos acima, o ISSN é atribuído pelo Centro Internacional da Rede ISSN, que é representado no Brasil pelo Centro Brasileiro do ISSN (CBI), um segmento do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).  

O ISSN foi elaborado considerando outros padrões internacionais, sendo que suas regras são compatíveis com outros sistemas, como o ISBN.

Como saber qual desses identificadores é o mais apropriado para sua publicação?

O ISBN e o ISSN servem a propósitos diferentes ─ o primeiro é voltado a livros, físicos ou digitais e o segundo a revistas e outras publicações periódicas. Existem alguns casos em que ambos são necessários, como por exemplo a publicação de um livro em série ou de anais de eventos ou seja, em casos em que uma publicação seriada tem volumes que podem, em alguns casos, serem considerados livros, assim, podem receber mais um ISBN.

Já o DOI é relevante para todos os tipos de publicação científica, sejam livros, capítulos de livro, revistas, artigos científicos e até mesmo preprints, anais de evento e seus trabalhos.

Isso significa que o DOI é um código complementar ao ISSN e ISBN, servindo para outras funções e prestando um serviço adicional de ajudar a encontrar os dados, que os outros dois sistemas não prestam. Ou seja, ele não é substituível. O ideal é sempre registrar um ISBN e DOI ou ISSN e DOI.

Com os códigos devidamente registrados, sua pesquisa vai muito além dos dados coletados, já que esses identificadores ajudam na difusão do seu conteúdo entre pares, o que é muito importante para garantir que sua publicação esteja acessível e consiga mais citações, visibilidade e até obter financiamento nos próximos passos da sua pesquisa.

Caso você esteja pronto ou pronta para depositar DOI ou precisa de auxílio no registro de ISBN e ISSN, fale conosco!

Nossa equipe é especializada no assunto e pode ajudar você por todas as etapas do processo, evitando dores de cabeça!

Se for esse o seu caso, deixe seu contato no formulário abaixo.


Utilize meu número de telefone para entrar em contato através do Whatsapp.